projeto 1

Amplia Saúde

Eixo Desenvolvimento Social

Ampliação do acesso à Atenção Básica à Saúde de qualidade no município de São Paulo.

Situação atual

Em 2016, a cobertura potencial da atenção básica era 62,4% no município de São Paulo. Em dezembro de 2016, o número total de equipes, a partir dos dados cadastrados no Cadastro Nacional de Estabelecimentos da Saúde (CNES) e informados pelo Caderno da Atenção Básica (CAB), era 2.460, conforme parâmetro do Índice de Desempenho do Sistema Único de Saúde (IDSUS) , sendo que, entre estas, 1.301 são equipes de Estratégia de Saúde da Família. A cobertura potencial da atenção básica varia de 13,8% na Prefeitura Regional de Santo Amaro até 100% de cobertura na Prefeitura Regional de M’Boi Mirim.

Resultados esperados

Ampliar a cobertura da Atenção Básica à Saúde em todas as suas ações.

Orçamento

Recursos próprios Outros recursos
Investimento 0 0
Custeio 0 0

Linhas de ação

1.1
Implantar 100 novas equipes de Estratégia de Saúde da Família (ESF) no município, considerando a expansão proporcional de toda a rede de apoio, na perspectiva da constituição das Redes de Atenção à Saúde (RAS).
1.2
Implantar novas equipes de Atenção Básica com 700 profissionais médicos, na perspectiva da constituição das Redes de Atenção à Saúde (RAS).
1.3
Implantar 33 novos Núcleos de Apoio à Estratégia da Família - N/ASF, na perspectiva da constituição das Redes de Atenção à Saúde (RAS).
1.4
Implantar 100 novas equipes de Saúde Bucal, na perspectiva da constituição das Redes de Atenção à Saúde (RAS).
1.9
Entregar 14 novas Unidades Básicas de Saúde (UBS), na perspectiva da constituição das Redes de Atenção à Saúde (RAS).
1.10
Readequar, reformar e/ou reequipar 1/3 das Unidades Básicas de Saúde (150 UBS), garantindo melhorias na acessibilidade e segurança do paciente, na perspectiva da constituição das Redes de Atenção à Saúde (RAS).
1.7
Garantir o abastecimento de todas as unidades com os insumos e os medicamentos necessários para o seu funcionamento, reduzindo o índice de desabastecimento médio para níveis aceitáveis (até 15%).
1.8
Ampliar o número de ações intersetoriais de prevenção e promoção à saúde, realizadas nas 32 prefeituras regionais (no mínimo 4 em 2020).
1.6
Promover a educação permanente de 25% dos profissionais da saúde por Prefeitura Regional para adesão a protocolos da Atenção Básica, com destaque para ações de enfrentamento da violência e populações vulneráveis.
1.11
Aumentar a cobertura de exames de Papanicolau na faixa etária alvo (25-64 anos) em 10%.
1.5
Limitar a no máximo 5% a perda primária de consultas médicas (vagas disponibilizadas, mas não utilizadas) nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).